70-412 640-916 |  70-489 210-451 1z0-144 CAS-002 CISSP CWSP-205 EX200 |  70-697 70-347 |  200-125 |  FC0-U51 PMI-001 400-051 70-534 |  70-486 |  cas-002 |  300-115 640-916 |  2V0-621D 040-444 1Y0-401 SSCP 200-105 JN0-102 IIA-CCSA NS0-506 712-50 DEV-401 101 70-461 GISF MB2-713 70-480 9L0-012 JN0-332 700-039 400-351 642-997 70-410 70-532 EADA10 1z0-218 70-534 CSM-001 300-075 |  300-475 640-916 642-999 1z0-809 |  642-889 MB5-705 VCP550D 642-035 MB2-710 300-075 70-462 |  4A0-107 70-486 70-463 640-875 200-120 |  PMP 1K0-001 CEH-001 300-085 1z0-804 1z0-054 70-488 cissp |  70-332 PCNSE7 700-801 1z0-058 210-260 400-051 |  JN0-633 300-135 |  840-425 EX200 |  cism |  GCIH SPHR 70-411 70-534 |  700-001 1V0-605 642-980 MB2-712 352-001 70-680 1z0-333 648-232 70-384 220-901 C2090-560 EX200 |  700-037 101-400 N10-006 599-01 101 |  1z0-897 História - Hospital de Câncer de Barretos

Entrar


Entrar

Você esta aqui: Institucional  História

Instagram

Galeria de Vídeos

História e Dados


Na década de 60, o único hospital especializado para tratamento de câncer situava-se na capital do estado de São Paulo e os pacientes que apareciam no Hospital São Judas de Barretos com a doença, eram, em sua maioria, previdenciários de baixa renda, com alto índice de analfabetismo. Por isso, tinham dificuldades de buscar tratamento na capital, por falta de recursos, receio das grandes cidades, além da imprevisibilidade de vaga para internação.

Em 27 de novembro de 1967, foi instituída a Fundação Pio XII e, conforme memorando 234, de 21 de maio de 1968, assinado pelo Dr. Décio Pacheco Pedroso, diretor do INPS, passou a atender pacientes portadores de câncer.

Devido à grande demanda de pacientes e ao velho e pequeno hospital não comportar todo crescimento, o Dr. Paulo Prata, idealizador e fundador, recebeu a doação de uma área na periferia da cidade e propôs a construção de um novo Hospital que pudesse responder às crescentes necessidades.

Este pequeno Hospital contava com apenas quatro médicos: Dr. Paulo Prata, Dra. Scylla Duarte Prata, Dr. Miguel Gonçalves e Dr. Domingos Boldrini. Eles trabalhavam em tempo integral, dedicação exclusiva, caixa único e tratamento personalizado. Filosofia de trabalho que promoveu o crescimento da Instituição.

Devido à grande demanda de pacientes e ao velho e pequeno hospital não comportar todo crescimento, o Dr. Paulo Prata, idealizador e fundador, recebeu a doação de uma área na periferia da cidade e propôs a construção de um novo Hospital que pudesse responder às crescentes necessidades.

No ano de 1989, Henrique Prata, filho do casal de médicos fundadores do hospital, abraça a idéia do pai e com a ajuda de fazendeiros da cidade e da região realiza mais uma parte do projeto. O pavilhão Antenor Duarte Villela, onde funciona o ambulatório do novo hospital é inaugurado em 6 de dezembro de 1991.

Dando seqüência ao projeto que vem ganhando grandes proporções com a ajuda da comunidade, de artistas, da iniciativa privada e com a participação financeira governamental, outras áreas do hospital estão sendo construídas para atender via SUS, os pacientes com câncer que chegam até nós.

Uma maneira que o hospital encontrou de homenagear estas pessoas que contribuem com esta causa é colocar nos pavilhões os nomes dos artistas.

Confira nosso portifólio: