Entrar


Entrar

Hormonioterapia

O que é hormonioterapia? 

 A hormonioterapia é uma das formas também utilizadas para tratar pessoas com câncer. O corpo humano é feito de trilhões de células e todas elas trabalham juntas para manter a vida do corpo. Entretanto, elas precisam se comunicar para que tudo isso ocorra da melhor forma possível. Isso é feito através de substâncias naturais chamadas de hormônios. Muitos cânceres surgem em locais que são estimulados normalmente por estes hormônios, como a mama e a próstata. Mas as células do câncer usam estes hormônios para estimular o seu crescimento e avanço. A hormonioterapia é um tratamento que utiliza remédios para bloquear a ação desses hormônios e evitar que eles estimulem as células do câncer a crescer. Pode ser ministrada em comprimidos ou através de injeções debaixo da pele.

 Quando e para quem é indicada? 

 A hormonioterapia é principalmente usada no tratamento do câncer de mama e da próstata. Nestes cânceres, o tratamento pretende bloquear os efeitos dos hormônios masculinos (como a testosterona) no homem e os hormônios femininos (como o estrogênio) na mulher. Em muitos protocolos de tratamento, a hormonioterapia completa o benefício proveniente da cirurgia e/ou radioterapia, alcançando melhores resultados para o paciente. Assim como na quimioterapia, o tipo de hormonioterapia e o momento do seu uso dependerá de diversos fatores relacionados ao tumor, idade do paciente e risco de efeitos colaterais. Ela pode ser usada em um protocolo de tratamento com intenção de curar ou até mesmo para evitar o avanço da doença, quando a cura não é mais possível.

 Quais são os cuidados necessários durante o tratamento? 

 O principal cuidado é seguir estritamente as orientações do médico. Ele conhece os efeitos bons e ruins esperados para aquele tratamento e pode alertar o paciente sobre possíveis efeitos colaterais e o que fazer caso os tenha. De maneira geral, é importante que o paciente use a dosagem certa prescrita pelo médico e mantenha a regularidade do uso. Doses em horários errados podem mudar a quantidade do remédio que deveria estar no organismo e afetar o seu adequado efeito ou até mesmo gerar mais efeitos colaterais.

 Quais são os efeitos colaterais?

 Como o objetivo da hormonioterapia é eliminar o efeito de determinado hormônio no organismo, a falta deste poderá acarretar o mau funcionamento dos locais do corpo que estão saudáveis.  Com isso, podem surgir sintomas adversos pela falta desses hormônios. Os mais comuns são os fogachos (ondas de calor no corpo), impotência sexual, ressecamento vaginal, perda do desejo sexual, alterações dos níveis das gorduras do sangue, ganho de peso e maior risco de entupimento das veias das pernas (trombose).

Como amenizar os efeitos colaterais?

Após o início do tratamento o médico perceberá como o paciente o tolerou e saberá usar medicações para amenizar os efeitos colaterais. Tentar manter a rotina de vida evitando esforços físicos exagerados pode ajudar a manter o bem-estar durante o tratamento.  Realizar uma atividade física leve, pelo menos três vezes por semana sob orientação médica, tem se mostrado benéfico em alguns tipos de câncer. Nunca se esqueça de tirar todas as dúvidas com o médico sobre a doença. Isso ajuda no entendimento do que vem pela frente e contribui muito para a segurança e o bem-estar durante o tratamento. Apesar dessas medicações alterarem a vida sexual, isso não significa que está contraindicado manter a prática sexual durante o tratamento. Pelo contrário, manter a vida sexual ativa auxilia na autoestima e ajuda a superar os desafios do tratamento.