Entrar


Entrar

Você esta aqui: Institucional

Faça sua Doação, Salve Vidas

 

Instagram

Galeria de Vídeos

OncoEventos

Hospital de Amor lidera ranking de pesquisa na área da saúde da América Latina

 

O Hospital de Amor Barretos recebeu uma grande notícia na última semana! A instituição conquistou a primeira colocação no levantamento da Scimago Institutions Rankings (SIR), entre os centros de saúde que atuam na área de pesquisa na América Latina. O SIR é um recurso internacional de avaliação científica para classificar universidades e instituições (públicas ou privadas), que revela algumas das principais dimensões (pesquisa, inovação e impacto social) do desempenho de pesquisa de instituições dedicadas à área em todo o mundo. O objetivo do ranking é fornecer uma ferramenta métrica útil para as entidades, formuladores de políticas e gerentes de pesquisa para a análise, avaliação e melhoria de suas atividades, produtos e resultados.
 
Na edição 2018, o SIR classificou 5.637 instituições, sendo 903 do setor de saúde. Na América Latina, 355 centros de todos os setores foram incluídos, dos quais 33 são da saúde. No Brasil, foram listadas 144 instituições de todos os setores, sendo 11 da área em questão. Neste ano, nacionalmente, o Hospital de Amor (HA) ficou em oitavo lugar, considerando todos os setores, e em primeiro no levantamento que diz respeito à saúde. Já na América Latina, está em 13º - considerando todos os setores – e também lidera a colocação na área da saúde.

De acordo com o diretor executivo e científico do Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do HA, Dr. Rui Reis, para conquistar esse importante reconhecimento não é necessário realizar inscrições, pois as instituições são selecionadas de acordo com o critério único de ter mais de 100 artigos publicados e incluídos no banco de dados ‘Scopus’. As categorias avaliadas são: “Governo”, “Saúde”, “Ensino Superior”, “Setor Privado”, “Outros” e “Todos”.
 
Critérios de avaliação
Os indicadores do SIR são divididos em três grupos: “Pesquisa”, “Inovação” e “Impacto Social”, medido pela visibilidade na web, fornecendo estatísticas gerais de publicação científica, entre outros resultados. Para fins de classificação, o cálculo é gerado anualmente, a partir dos resultados obtidos ao longo de um período de cinco anos, finalizando dois anos antes da edição do ranking. Desta forma, a classificação de 2018 foi baseado em resultados do período de 2012-2016.
 
Mérito
Em 2015, o Hospital de Amor esteve na 10ª posição nacional na área da saúde e, neste ano, saltou para a primeira colocação graças a evolução do profissionalismo, dedicação, trabalho árduo e paixão de todos que nestes anos atuaram no Instituto de Ensino e Pesquisa e em outros departamentos do HA. “O ranking de 2018 é também reflexo da cultura meritocrática instituída no apoio e suporte aos alunos de pós-graduação, docentes, médicos e pesquisadores, na aposta de pesquisa de padrão internacional e, frequentemente, em consórcios mundiais”, afirmou o diretor do IEP.
 
O Hospital de Amor é instituição irmã de dois dos mais importantes centros oncológicos no mundo, o MD Anderson Cancer Center (Texas – EUA) e o St. Jude (Memphis – EUA), desenvolvendo protocolos clínicos, pesquisas e múltiplas parcerias com outros grandes centros internacionais. “Contribuíram também para este resultado a excelente infraestrutura e organização implementada há aproximadamente 10 anos, com o objetivo de fomentar o Ensino e a Pesquisa, e que está constantemente sendo avaliada e aprimorada. A posição alcançada pelo Hospital de Amor no ranking é um sinal de que a aposta da diretoria da instituição na política de ensino e pesquisa foi ganhadora”, declarou Reis.
 
Apesar de não serem medições absolutas, os rankings são considerados importantes ‘termômetros’ da situação e evolução das entidades. Sendo assim, representam uma importante avaliação externa e comparativa, evidenciando uma grande evolução e sinalizando que o Hospital está caminhando no sentido correto. Para o gestor, essa evolução se dá em um momento de crise e estagnação no panorama científico nacional. Segundo ele, o HA está melhorando seu posicionamento não apenas nacional, mas também internacionalmente. “Este resultado é, sem dúvida, um sinal para toda a sociedade de que o dinheiro investido no hospital e, particularmente em Ensino e Pesquisa, é um investimento de retorno garantido para o paciente. É também um sinal claro de seriedade e competência do trabalho desenvolvido no departamento, junto do Instituto de Prevenção e da área de assistência, formando uma base de excelência. O Hospital de Amor é, também, o ‘Hospital de Ciência’, finalizou.
 
De acordo com o presidente do HA, Henrique Prata, este é o último selo que faltava no escopo da instituição. “Através dessa transparência no mundo da ciência, um hospital que é praticamente excluído (por estar localizado no interior e não ter medicina privada) e que vive com a falta de recursos, aparecer nesta colocação em uma pesquisa como essa, é praticamente inacreditável. Essa equipe tem uma única missão: fazer o que é justo, sério e certo. Fazer o que é correto para todos! No Brasil, não há cultura de investimento e doação de dinheiro para pesquisa. O melhor caminho que aconteceu foi apresentar quem somos para o país e para a América Latina, para que todas as pessoas nos ajudem a crescer ainda mais”, destacou Prata.
 
Instituto de Ensino e Pesquisa do HA
Há 10 anos, o hospital teve a iniciativa de construir um Instituto de Ensino e Pesquisa, cujo objetivo era estimular o ensino pós-graduado (formando mestres e doutores), formação de residentes médicos e de outros profissionais de saúde, além de oferecer as melhores condições para a realização de projetos de pesquisa, sempre voltados para uma questão clínica e de relevância para o paciente oncológico.
 
Atualmente, o HA possui cerca de 200 projetos em andamento, que estão divididos em quatro grandes áreas e que constituem as linhas de pesquisa da pós-graduação acadêmica (stricto sensu) em oncologia, sendo elas: “cuidados paliativos e qualidade de vida”, “epidemiologia e prevenção do câncer”, “oncologia clínica e cirúrgica” e “oncologia e patologia molecular”. “Uma parte significativa desses projetos é realizada pelos nossos alunos de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Um número relevante desses projetos está sendo realizado em colaboração com outros centros, nacionais e internacionais. Além disso, temos mais de 100 ensaios clínicos em andamento, todos patrocinados pela indústria farmacêutica”, afirmou Reis.
 
Por ano, a instituição investe, em média, 10 milhões de reais em todas as áreas de ensino e pesquisa. Além dos recursos vindos do próprio hospital, o IEP conta com apoios financeiros de importantes agências de fomento nacionais, como: FAPESP, CNPq, DECIT, CAPES, e internacionais, como: NIH, Bill & Melinda Gates Foundation, Terry Fox Foundation, assim como, o Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas.
 
No total, o Instituto de Ensino e Pesquisa já formou 90 mestres/doutores em oncologia. Atualmente, o departamento conta com aproximadamente 70 alunos de pós-graduação, realizando suas teses e dissertações; mais de 30 pesquisadores, sendo 8 com dedicação exclusiva à pesquisa; e os demais médicos e outros profissionais de saúde que estão na assistência e também coordenam projetos de pesquisa.
 
“Possuímos vários diferenciais tecnológicos, que vão desde a cirurgia minimamente invasiva e robótica em um centro de treinamento de ponta, como o IRCAD, ao Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular, com um dos mais sofisticados e completos parques de estudos genômicos, além de uma excelente estrutura para oncologia celular (modelos in vitro e in vivo). Contamos ainda com o maior banco de tumores da América Latina, com mais de 240.000 amostras, e um dos maiores centros de prevenção, com o maior número de unidades móveis do mundo para rastreamento e detecção precoce do câncer. Apesar disso, nosso sucesso está em sermos uma estrutura aberta, completa e integrada, onde as equipes multidisciplinares trabalham de forma complementar e com o mesmo objetivo: proporcionar o melhor ao paciente”, finalizou Dr. Rui Reis.