Entrar


Entrar

Você esta aqui: Institucional

Faça sua Doação, Salve Vidas

 

Instagram

Galeria de Vídeos

OncoEventos

'Dia Mundial Sem Tabaco': conheça a relação do cigarro com o câncer




O cigarro representa uma droga de caráter lícito – ou seja, liberada para consumo – que contém cerca de 5 mil substâncias tóxicas. Dentre elas, 80 são reconhecidas como causadoras de câncer. Algumas chegam a demorar de 10 a 30 anos para serem eliminadas do organismo, desta forma, se aderem e se acumulam nas células do nosso corpo causando danos.

Nesta quarta-feira (31.05), celebra-se o “Dia Mundial Sem Tabaco”, criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como um alerta sobre as doenças e morte evitáveis relacionadas ao tabagismo.

Para mostrar os malefícios causados pelo cigarro, o Hospital de Câncer de Barretos conversou com a médica pneumologista da instituição, Eliana Lourenço Borges. De acordo com ela, até o papel usado para envolver a droga causa problemas à saúde, pois contém óxido de titânio, que pode ocasionar em tosse, espirros, vermelhidão e inchaço na pele e nos olhos. Confira a entrevista.

Qual a relação do cigarro com o surgimento do câncer? Causa câncer?
Vários compostos encontrados no cigarro e na sua fumaça são causadores diretos de câncer. Há metais, gases e substâncias tóxicas que danificam as células de nossos tecidos a cada inalada. Geralmente, nosso organismo tenta consertar este dano ou lesão na célula, porém, como é contínuo, porque a pessoa fuma várias vezes ao dia por vários anos, em algum momento, a célula é consertada de forma inadequada. Neste momento, nasce uma célula cancerígena, que se reproduz desordenadamente causando a doença.

Quais são as substâncias tóxicas encontradas no cigarro?
Alguns exemplos de substâncias cancerígenas encontradas dentro ou com a queima do cigarro:
- Polônio: elemento radioativo encontrado no lixo nuclear;
- Arsênio: encontrado em venenos e pesticidas;
- Butano: gás tóxico encontrado no gás de cozinha que causa asfixia se inalado em lugares fechados
- Cetonas: acetona para retirada de esmalte é entorpecente e causa irritação;
- Formaldeído: também conhecido como formol, usado na preservação de cadáveres e causa irritação;
- Tolueno: gás tóxico encontrado no escapamento de carros; utilizado na fabricação de borrachas, óleos, resinas, tintas, colas, detergentes e explosivos;
- Amônia: substância irritante encontrada em produtos de limpeza, foi adicionada ao cigarro para aumentar a dependência ao cigarro; causa irritação e ardor nos olhos, boca, garganta e brônquios.

Por que é tão difícil parar de fumar?
Um dos fatores para a dificuldade em parar de fumar é o grau de dependência que o fumante tem com o cigarro. É uma droga que apresenta três tipos de dependência: a dependência física determinada pela nicotina, a dependência psicológica e a dependência comportamental. Cada fumante tem graus variáveis destas dependências, sendo que os fumantes com maior dependência física têm maior dificuldade em parar de fumar. Outro fator relevante são os sintomas de abstinência quando o fumante tenta parar de fumar.Como a nicotina é uma droga que causa dependência física, a falta desta droga causa vários sintomas como suores excessivos, insônia, dor de cabeça, tristeza, irritabilidade e nervosismo excessivo, ansiedade e grande vontade de fumar. Muitos fumantes não suportam esses sintomas e voltam a fumar ou desistem de parar de fumar.

E quanto ao cigarro eletrônico? Ele é tão nocivo quanto? Ou ele não possui as mesmas substâncias tóxicas?
O cigarro eletrônico é um dispositivo que fornece aos usuários doses de nicotina e outros aditivos em aerossol. O nível de nicotina no cartucho pode variar e não corresponder à concentração descrita pelo fabricante. Algumas marcas deste aparelho podem conter substâncias que modificam o sabor, como extrato de frutas, baunilha, menta, café ou chocolate, tornando o cigarro eletrônico mais atrativo principalmente para adolescentes, sendo este um passo para iniciar o vício em cigarros. Diversas substâncias potencialmente danosas foram identificados nos cartuchos de nicotina. Um cartucho pode gerar de 10 a 250 jatos, o que poderia corresponder, dependendo da marca, a 5-30 cigarros.


Outros tipos de fumo, como o Narguilé, também são nocivos? Também podem causar câncer?
O narguilé é um cachimbo de água muito utilizado na cultura árabe, indiana e turca, preparado com um fumo especial, feito com tabaco, melaço e frutas ou aromatizantes. O fumo é queimado em um fornilho e sua fumaça, após atravessar um recipiente com água, é aspirada por uma mangueira até chegar à boca. Por modismo, influência social ou por acreditarem ser inofensivo, jovens são os maiores consumidores de narguilé, que em muitos casos é a porta de entrada para a dependência e o consumo de outras formas de tabaco. Ao consumir o cachimbo, além de absorver substâncias tóxicas, a pessoa inala os produtos da combustão do carvão utilizado para queimar o fumo. Alguns estudos sugerem que a quantidade de nicotina inalada com o narguilé é pelo menos o dobro da inalada pelo consumo do cigarro normal, causando uma dependência ainda maior.

O tabaco aliado à bebida alcoólica, por exemplo, é mais nocivo?
O álcool estimula o aumento do número de cigarros fumados, quem bebe fuma mais. Isto tem uma explicação científica. O álcool é diurético, ou seja, estimula a formação de urina. E é pela urina que a nicotina é liberada pelo nosso organismo. Menos nicotina no corpo faz com que o cérebro procure por sua droga estimulante e, deste modo, o fumante acaba aumentando o número de cigarros fumados.

Qual a mensagem neste Dia Mundial sem Tabaco?
A mensagem neste dia é que o cigarro é considerado uma droga e como tal, seu consumo deve ser evitado. O início ou inserção nesse hábito deve ser maciçamente combatido, os pais devem orientar os filhos a não fumarem e devem evitar de dar o exemplo às novas gerações. Além disso, todo fumante deve fazer exames uma vez por ano para averiguar possíveis danos à saúde.


Como educar as futuras gerações para que não se viciem?
Conhecimento. Quando conhecemos algo sabemos tomar decisões mais adequadas acerca do assunto. Estimular as crianças e jovens em seus ambientes de estudo ou de convívio a discutir sobre o cigarro, repassando informações, pode estimulá-lo a ter uma opinião própria sobre esta droga e então evitar o uso.