Entrar


Entrar

Você esta aqui: Institucional

Faça sua Doação, Salve Vidas

 

Instagram

Galeria de Vídeos

OncoEventos

Conheça os sinais e sintomas do Câncer Colorretal e saiba como se prevenir

 

O câncer colorretal é o segundo de mais frequente entre as mulheres e o terceiro entre os homens, sendo mais incidente nas regiões Sudeste e Sul do país, apontam estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Mas, será que há uma forma de se prevenir da doença? A médica endoscopista HCB e responsável pelo programa de rastreamento, Dra. Denise Guimarães, garante que a resposta é sim e aproveita para esclarecer algumas dúvidas.

- Câncer de intestino é a mesma coisa que câncer colorretal?
R: O câncer colorretal é o tumor que acomete o intestino grosso (ou colón) e o reto (a parte final do intestino).

- Existe uma idade mais propensa a se ter a doença?
R: O risco de ter câncer colorretal aumenta à medida que as pessoas envelhecem. Apesar da doença ocorrer em qualquer fase da vida, a maioria é diagnosticada nas pessoas com idade superior a 50 anos.

- Há fatores externos ligados ao surgimento da doença?
R: Os fatores que estão relacionados com o surgimento do câncer colorretal são:
Consumo de carne vermelha e processada;
Ausência da atividade física regular (sedentarismo);
Ingestão abusiva de álcool;
Tabagismo;
Sobrepeso e obesidade.

- Há uma região com maior incidência desse tipo de câncer no país? Por quê?
R: Segundo estimativas do INCA, as duas regiões do Brasil onde são encontradas as maiores incidências do câncer colorretal são: Sudeste e Sul. Especula-se que isso ocorre devido à urbanização e à adoção, nestas regiões, de hábitos alimentares de países desenvolvidos, onde são encontrados os maiores casos mundiais do câncer colorretal.

- Há uma maneira de se fazer a prevenção da doença? Qual é a melhor forma?
R: Sim! Adotando uma alimentação mais saudável, rica em frutas e vegetais, e reduzindo a ingestão de carne vermelha e processada;
Fazendo atividade física regular;
Mantendo o peso em níveis adequados;
Restringindo a ingestão de álcool;
Não fumando;
Fazendo um teste de rastreamento para o câncer colorretal, a partir dos 50 anos.
Observação: Caso haja alto risco de se apresentar a doença, o rastreamento deverá ser iniciado mais cedo. Existem vários testes de rastreamento, sendo os mais utilizados a pesquisa de sangue oculto nas fezes – feita anualmente – e o exame de colonoscopia a cada 10 anos.

- Como a doença pode ser diagnosticada? Existem exames que auxiliam esse diagnóstico?
R: O câncer colorretal é diagnosticado, geralmente, no momento em que os sintomas aparecem, porém, nesse caso, a doença já se encontra em estágios avançados. O principal exame é a colonoscopia, sendo utilizado também como prevenção através de teste de rastreamento, associados ou não, ao teste de sangue oculto nas fezes.

- Quais são os sintomas?
R: Sangramento pelo reto;
Alteração no hábito intestinal (diarreia, constipação ou fazes em fita);
Dor abdominal.

- E como é o tratamento?
R: O tratamento do câncer colorretal depende do estágio da doença e pode variar desde o procedimento endoscópico e cirúrgico nas fases iniciais, até a quimioterapia e tratamento paliativo nos estágios mais avançados.

- O Hospital de Câncer de Barretos possui algum programa de rastreamento para prevenção da doença? Como funciona?
R: Em agosto de 2015, o Hospital iniciou um programa de rastreamento do câncer colorretal, utilizando a pesquisa de sangue oculto nas fezes (teste imunoquímico – FIT). Para entrar no programa, um questionário é aplicado para avaliar se existe indicação ou não do rastreamento. Uma vez indicado, o kit do teste FIT é entregue ao participante do programa. Ele, coleta uma amostra de fezes e encaminha ao HCB para ser analisada. Caso o diagnóstico seja positivo, é necessário a realização do exame de colonoscopia para confirmação ou não deste resultado. A colonoscopia é realizada no Instituto de Prevenção do Hospital de Câncer de Barretos - departamento de Endoscopia. Se indicado, são realizadas biópsias e ressecções de lesões encontradas durante a colonoscopia.