1D0-610 NS0-153 NS0-154 050-V37-ENVCSE01 50-653 350-001 NS0-330 1Z1-853 A2010-656 FN0-202 E20-670 000-094 A2040-922 006-002 E22-192 920-181 3X0-203 070-467 MB3-207 650-179 000-M12 000-784 ISEBSWTINT_001 HH0-440 000-446 1Z0-231 83-640 M2040-723 ml0-320 A2180-175 9A0-125 000-959 000-717 000-011 650-180 000-636 HP2-B82 156-110 P6040-015 1Z1-060 000-129 1Z1-884 000-330 HH0-050 50-707 JN0-730 00M-246 LOT-710 HP2-E45 HC-623-CHS 1Y0-A09 SC0-411 HP3-C32 HP5-H01D 3M0-600 00M-664 000-118 E22-201 HP0-390 HP2-H19 JN0-321 LOT-920 MB7-842 200-047 50-703 Um sonho realizado - Hospital de Câncer de Barretos
Entrar


Você esta aqui: Institucional  Unidades

Um sonho realizado

O dia 24 de março de 2012 tornou-se uma data histórica para o Hospital de Câncer de Barretos, pois além de marcar a inauguração do Hospital de Câncer Infantojuvenil, ela é também, aniversário da instituição. Segundo Henrique Prata, gestor do Hospital de Câncer de Barretos, “a inauguração da nova unidade no mesmo diaem o Hospital SãoJudas Tadeu completa os 50 anos de existência, é um marco histórico na vida da minha família. Meus pais consagraram a São Judas um projeto que não foi alicerçado pelo caminho da razão matemática, da lógica, mas pelo princípio da fé”.

A inauguração do novo centro também sela a parceria com o Saint Jude Children´s Research Hospital – o mais conceituado centro de tratamento oncológico pediátrico no mundo. O acordo torna os hospitais “Twins Institutions” (Instituições Gêmeas), ou seja, os centros serão capazes realizar em conjunto, protocolos de pesquisa, intercâmbios entre os médicos e compartilhamento de casos e práticas clínicas. 

Além do acordo em comum, ambas instituições celebram seus respectivos cinquentenários este ano e foram batizadas com o nome do mesmo santo: São Judas Tadeu. O projeto inicial que se tornaria o Hospital de Câncer de Barretos, nasceu com o Hospital São Judas Tadeu em 1962, hospital que atualmente funciona como uma unidade especializada e referênciaem Cuidados Paliativos.

Na cerimônia e na visita de inaugural, estiveram presentes o apresentador Gugu Liberato, a apresentadora Xuxa Meneghel, o governador Geraldo Alckmin, o ministro da saúde Alexandre Padilha, o Secretário de Saúde do Estado de São Paulo Giovanni Cerri, o arcebispo de São Paulo Dom Odilo Scherer e parceiros de instituições internacionais do Saint Jude e do MD Anderson.

A construção do Hospital Infantojuvenil Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi realizada inteiramente através de doações: são R$ 20 milhões obtidos através de duas edições da campanha televisiva Direito de Viver (da Rede TV!, Gazeta, Rede Vida e Canal Rural), doações de empresas e doações incentivadas através do imposto de renda de pessoas jurídicas e físicas do Projeto Cuidar - projeto aprovado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA da cidade de Barretos para captação de recursos incentivados do Imposto de Renda a pagar de pessoas físicas (6%) e jurídicas (1%), ao Fundo para a Infância e Adolescência – FIA, conforme estabelece o Art. 260 da Lei 8.069/90.

Tratamento Diferenciado

O novo hospital também terá técnicas de laboratório e genética baseadas no conceito de terapia-alvo, um tratamento geneticamente personalizado para aumentar as taxas de cura. “Somos o centro que mais recebe casos de tumores ósseos do país e muitos pacientes chegam com o diagnostico avançado, apesar de já terem recebido atendimento em outros hospitais. As parcerias com o St. Jude e o MD Anderson Cancer Center (o maior centro de tratamento oncológico do mundo) permitirão fortalecer a pesquisa clínica desses tumores. Assim, conseguiremos oferecer uma segunda chance de tratamento, com novas drogas, para pacientes com recaída ou em progressão de doença”, informa Dr. Luiz Fernando Lopes, Coordenador Médico do Departamento de Pediatria do Hospital de Câncer de Barretos.

Além de oferecer um segundo tratamento para crianças em estágio avançado, o Hospital Infantojuvenil investirá no diagnostico precoce e na prevenção. “Focar apenas em tratamento não é mais o futuro, pois o que irá curar mais crianças é garantir o atendimento no estágio inicial da doença e promover hábitos saudáveis para que elas não desenvolvam câncer”, explica Lopes.

A ideia deste programa preventivo e de diagnóstico precoce é despertar essa consciência na população do interior do país. “Vamos utilizar ferramentas modernas de comunicação para levar essa mensagem às crianças e aos pais delas. Conscientizar crianças a não fumar, comer corretamente e realizar atividades físicas já é um grande avanço. O resultado talvez não seja imediato, mas o efeito multiplicador será muito maior daqui a 20 ou 30 anos”, relata o médico.

Infraestrutura

A nova unidade foi construída em um amplo terreno ao lado do complexo do Hospital de Câncer de Barretos. Possui 27 leitos, ambulatórios, salas de infusão separadas por faixa etária, centro de reabilitação, centro de quimioterapia, laboratório de emergência, recepção, administração, serviços de apoio e pronto atendimento 24 horas. O hospital conta com o apoio de outros setores como lavanderia, nutrição, radioterapia, radiologia, farmácia central, banco de sangue, laboratório, patologia, entre outros.

 

“O nome do Ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido como forma de agradecimento pela sua colaboração ao Hospital de Câncer de Barretos durante sua gestão na Presidência da República”, explica Henrique Prata.

A filosofia do tratamento pediátrico do Hospital de Câncer de Barretos segue a mesma linha humanizadora existente na instituição como um todo: acredita na cura psicossocial, ou seja, que o cuidado com as próprias questões sociais e psicológicas do paciente é tão importante quanto o tratamento médico para a melhora de seu quadro clínico. Pensando nesse aspecto, o novo prédio tem estruturas inovadoras para facilitar, dinamizar e tornar mais agradável o convívio das crianças e suas famílias com o ambiente hospitalar.

“As crianças tem uma forma diferente de olhar o mundo e realizar um atendimento mais especifico, em ambiente próprio, torna o sofrimento menor e a aceitação ao tratamento maior”, conclui o coordenador médico.